Covid

Flávio Bolsonaro e Fabrício Queiroz são denunciados por organização criminosa e lavagem de dinheiro

Por Antonio Carlos em 04/11/2020 às 02:18:27

O Ministério Público do Rio de Janeiro (MPRJ) informou que ajuizou, no dia 19 de outubro, junto ao Órg√£o Especial do Tribunal de Justi√ßa do Rio (TJRJ), denúncia contra o senador Fl√°vio Bolsonaro, seu ex-assessor Fabrício Queiroz e outros 15 investigados no caso das “rachadinhas” pela pr√°tica dos crimes de organiza√ß√£o criminosa, peculato, lavagem de dinheiro e apropria√ß√£o indébita, ocorridos entre os anos de 2007 e 2018. Apesar de ser ajuizada no mês passado, as pe√ßas processuais só foram entregues aos desembargadores nesta ter√ßa-feira, 03, com o retorno das atividades regulares do desembargador relator do caso. De acordo com o MPRJ, o caso est√° em “super sigilo”.

Leia também

Senado aprova texto-base da autonomia do Banco Central por 56 votos a 12

MP diz que Aranha foi absolvido por falta de provas e que 'estupro culposo inexiste no ordenamento jurídico'

Eduardo Bolsonaro: 'Independentemente de quem seja eleito, inten√ß√£o é continuar a boa rela√ß√£o com os EUA'

Com a denúncia apresentada, Fl√°vio ser√° notificado para oferecer resposta no prazo de 15 dias. Junto com a notifica√ß√£o, ser√£o entregues aos acusados cópias da denúncia, do despacho do relator e dos documentos indicados. A investiga√ß√£o do MPRJ come√ßou em julho de 2018 depois que o Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) identificou a movimenta√ß√£o atípica de R$ 1,2 milh√£o na conta de Queiroz. Durante a investiga√ß√£o, o MP quebrou o sigilo banc√°rio e fiscal de 106 pessoas e empresas em abril de 2019, verificou provas de um esquema no qual assessores eram nomeados e tinham que devolver a maior parte de seus sal√°rios para Fabrício Queiroz, que repassava em transferências, depósitos e espécie ao senador Bolsonaro. A investiga√ß√£o apontou que Flavio utilizou, pelo menos, R$ 2,7 milh√Ķes em dinheiro vivo no esquema.

Em junho de 2020, Queiroz foi preso na casa do advogado de Fl√°vio, Frederick Wassef, em Atibaia, no interior de S√£o Paulo. Ele foi conduzido ao Rio de Janeiro para cumprir a pris√£o em Bangu, mas um habeas corpus do ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal, permitiu que ele permanecesse em pris√£o domiciliar em seu apartamento no bairro da Taquara, na zona oeste.

*mais informa√ß√Ķes em instantes

Fonte: JP

Comunicar erro
gostou anuncie aqui