Banner Jogue Lixo no Lixo

"Não sou eu que estou obstruindo, é a base do governo", diz Maia

Por Antonio Carlos em 27/10/2020 às 16:17:25

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), afirmou nesta terça-feira, 27, em coletiva de imprensa, que o governo não tem interesse em votar medidas provisórias. Ao ser perguntado sobre quando a Câmara vai retomar as sessões de votação, Maia afirmou que não sabe. "Não sou eu que estou obstruindo [as votações], é a base do governo", respondeu. Os partidos Avante, PL, PP e PSD têm obstruído votações na Casa devido a disputas na instalação da Comissão Mista de Orçamento (CMO).

A oposição, PT, PDT, PSB, PCdoB, PSOL e Rede, também obstruiu sessões como uma forma de protesto para que a Medida Provisória 1.000, que prorroga o auxílio emergencial, seja pautada na Casa. "A esquerda de forma legítima faz protesto pela MP 1.000", afirmou Maia. "Se o governo não tem interesse nessas medidas provisórias, eu não tenho o que fazer. Eu pauto, a base obstrui e eu cancelo a sessão. Infelizmente, é assim", argumenta o presidente da Câmara. Nas últimas duas semanas, as sessões foram derrubadas por falta de quórum. Nenhum projeto foi votado.

Leia também

Você sabe qual o papel do vereador?

Escolha de novo vice-líder do governo no Senado deve ficar para depois das eleições

Fachin nega pedido para adiar julgamento do caso do tríplex no dia do aniversário de Lula

"Eu espero que, quando nós tivermos que votar a PEC emergencial, a reforma tributária, o governo tenha mais interesse e a própria base tire a obstrução da pauta da Câmara", disse Maia, que afirmou que a reforma tributária já está incluída na pauta da Casa. "Agora, quando também tiver uma medida provisória importante que vá vencer, talvez outros façam obstrução para que o governo entenda que a Câmara precisa trabalhar", ameaçou. Para Maia, as MPs deveriam ser mais do interesse da base do que da oposição. "Seria importante, até porque, na hora de votar as emendas constitucionais, o governo vai precisar de 308 votos", explicou. "A gente precisa de um ambiente de menos conflito para votar matérias dificílimas, começando pela regulamentação do teto de gastos."

 

Fonte: JP

Comunicar erro

Comentários

gostou anuncie aqui